revista

 

editorial

e créditos

outros

números

envio

de material

editora

cartas

dos leitores

links

contato

 

 

 

 

 

 

 

 

 

o novelo de odradek | victor paes


este ensaio tem final surpresa

 

 

 

1

Ver duas vezes o mesmo objeto é sobrepor objetos. Pois a palavra objeto não se conforma nem dentro de uma caneta.
Ver duas vezes o mesmo quadro é substitui-lo por sua reprodução.
Cada vez que se ouve uma música, ela começa em uma nota a mais ou a menos (e o tempo nos encartes é sempre uma aproximação).
É raro um filme terminar nos créditos.

...

Bem, até confessamos que isso tudo seria, sim, muito óbvio. Mas agora deixou de ser quando alguém aí no fundo gritou: “eu paguei por isso?!”


2

O final surpresa é um advento de inteligências intermitentes, acostumadas a se espetacularem. (Isso é um conceito. E como conceito, vem para se espetacular. E como conceito, pronto a se render a qualquer obra de arte – dá conta de uma verdade, mas basta um Cortazar...) No cinema, espetáculos, o final surpresa sustenta a supremacia do roteiro, mais estética que arte propriamente. Mas quando o questiona, dobrando-o sobre si mesmo, um pouco mais, então, de arte. A princípio, todos os finais surpresa são assim, essa metalinguagem explícita. O problema é que o final de um filme não pode ser simplesmente o final do roteiro. Senão o jogo estará sempre ganho. Em alguns casos isso é tão assumido, que o final surpresa gerencia já o trailer. Em outros, ele é prometido e não entregue, em uma postura digna de ser levada ao Procon. Alguns diretores se escravizam por esse tipo de final e quando um filme poderia já acabar com dignidade, inventam um sonho ou uma máquina de se alimentar de sonhos. Nada contra máquinas, veja bem...


3

Agora há nos dvds finais alternativos, que são finais surpresa dos filmes que não têm final surpresa.


4

Qual seria o final surpresa de um filme sobre a vida de Cristo? Que ele era filho de Deus? Ou de um filme sobre a vida de Lady Di? Ou sobre o Titanic? Filmes sobre...


5

Suspense é incerteza.


6

Cortazar: “A tensão, em si, é anterior ao conto. Às vezes, há seis meses de tensão para que, depois, em uma noite, se escreva um conto. Creio que isto se nota em alguns de meus contos. Nos melhores, há uma carga, uma espécie de dinamite.”


7

Bibliografia:
Coração satânico. Efeito borboleta. O gabinete do Doutor Caligari. O bebê de Rosemary. Dogville. Cidade das sombras. Oldboy. A vila. Identidade. Clube da luta. A última tentação de Cristo. Seven. Casa de areia e névoa.

Aviso: alguns desses filmes têm final surpresa...


8

Yada, yada, yada...


 

VICTOR PAES é escritor, ator e professor. Foi premiado pelo Prêmio Jovem Artista, da Rioarte, com o texto teatral Os Cálices do Deus, que depois foi apresentado no Projeto Nova Dramaturgia. Foi publicado pela Editora Record, na coletânea do Prêmio Nossa Gente, Nossas Letras, da Oldemburg. Integra e faz a direção cênica do grupo instrumental Arranjos para Assobio.

 


 

voltar ao índice | imprimir

 

 

confraria do vento