revista

 

editorial

e créditos

outros

números

envio

de material

editora

cartas

dos leitores

links

contato

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

rodrigo garcia lopes


em busca da esfinge Leminski (resenha)

 

 

Nos últimos tempos, passados quase 16 anos de sua morte, a obra de Paulo Leminski vem sendo cada vez mais estudada, como provam lançamentos como Aço em flor - Alguma Poesia de Paulo Leminski, de Fabrício Marques, Entre Percurso e Vanguarda - a Poesia de Paulo Leminski (de Manoel Ricardo de Lima), Catatau: as Meditações da Incerteza (de Rômulo Valle Salvino), e Leminski, Guerreiro da Linguagem, de Solange Rebuzzi, para citarmos alguns. Isso é um sintoma ótimo e, ainda mais em se tratando de autor recentíssimo, algo meio raro no meio editorial brasileiro (exceções são Ana Cristina César e Torquato Neto). Sinal de que o interesse por sua obra, uma das mais vertiginosas da literatura brasileira contemporânea, está cada vez mais vivo.

Leminski também tem sido alvo de teses universitárias, discos, peças teatrais, uma biografia, eventos e até uma pedreira. Mas a grande pedra no caminho para a maior e melhor recepção da obra de Leminski, principalmente pelos novos leitores e formadores, continua sendo a necessidade urgente de reeditar seus livros (poesia, biografias, romances, ensaios, traduções). De minha parte, queria ver os primeiros livros de poesia reeditados em forma fac-similar, antes da maçaroca editorial do best-seller Caprichos & Relaxos. Queria ver as traduções de Fante, Petrônio, Ferlinghetti e suas biografias circulando novamente por aí. Por que não uma coletânea de todos os seus ensaios críticos e crônicas, hoje dispersos em 3 livros, e muitos deles ainda inéditos ou publicado em pequenos veículos ou jornais? Ou uma reedição urgente e crítica de Agora é Que São Elas?

A outra pedreira está localizada no campo da recepção crítica. Se nos últimos anos a "academídia" brasileira buscava um escritor com a cara de nossa época, (paradoxal, múltipla, paródica e crítica), para chutar e depois soprar, a "besta dos pinheirais" caiu como uma luva. Ora sua obra é desfigurada, tratada como mero apêndice do concretismo, ora Leminski é atacado como uma espécie de Duda Mendonça do haikai. Outras teses reduzem Leminski a um frasista polêmico, autor de meia dúzia de versinhos. Em outras, Leminski é mitificado, na linha Jim Morrison-James Dean, quando não é tido como último bastião de uma poética de resistência, não-acadêmica, dionisíaca. Muita calma nessa hora.

A Linha que nunca Termina, Pensando Paulo Leminski, organizado por Fabiano Calixto e André Dick, reúne 48 colaborações, um time de 43 autores, e engrossa o caldo na tentativa de contribuir para a discussão de sua obra. O livro (um volumão de 429 páginas) é bem variado e traz ensaios, poemas-homenagens, depoimentos, fotos, cartas etc. Desde o início os organizadores definem a coletânea como um "livro-homenagem" que almeja dar conta das várias atividades de Leminski, seja como músico, tradutor, ensaísta, romancista, etc. O livro, portanto, não se apresenta como uma coleção de ensaios estritamente acadêmicos, embora prometam ao leitor "lançar uma nova visão crítica sobre a trajetória artística de Leminski" (p.11). Além de textos dos próprios organizadores, A Linha Que Nunca Termina traz, cada qual com seu aporte, colaborações importantes de autores que têm proximidade, de um jeito ou de outro, com sua obra, como Caros Ávila, Cláudio Daniel, Haroldo de Campos, Frederico Barbosa, Reynaldo Damazio, Maria Esther Maciel, Antonio Risério, Arnaldo Antunes e o uruguaio Eduardo Milán.

Com um pouco mais de boa-vontade crítica e de imersão no livro, em A Linha o leitor vai se deparar com bons ensaios e depoimentos tocantes que apontam novas vias para pensar sua obra e experiência neste planeta. Manoel Ricardo de Lima, por exemplo, fecha o foco nas biografias brilhantes que Leminski escreveu (Cruz e Souza, Bashô, Trotski, Jesus) e Reynaldo Damazio aborda o Leminski tradutor. Ricardo Aleixo e Toninho Vaz se debruçam sobre seu lado compositor. Solange Rebuzzi, ao abordar o Leminski escritor de cartas ("epistoleiro"), enxerga que "[o] espaço de escrita, nesta troca epistolar, parece ser de muita confiança e funcionar como uma espécie de oficina, onde se exercita um sujeito e sua obra" (p. 349). Interessante também observar, como faz Alessandra Squina Santos, as sutilezas entre as várias traduções para alguns poemas de Leminski feitas por poetas e tradutores norte-americanos, mostrando como cada um lutou para captar o inconfundível dizer do poeta, entre o coloquial e o erudito. Enquanto Maria Ester Maciel aborda o caráter híbrido da produção textual leminskiana, o ensaio de Delmo Montenegro talvez seja o mais provocante, pois aponta os "erros grosseiros" históricos que teriam sido cometidos pelo autor de Catatau ao historicizar sua obra. Por isso, não só critica as furadas do mestre como refuta a tentativa de alguns críticos de catalogar Catatau como romance histórico. Interessante exercício faz Ricardo Silvestrin, ao tentar aplicar o esquema das 31 funções do conto maravilhoso (de Vladimir Propp, usado por conforme ele mesmo como leitmotiv do livro) na própria estrutura de Agora é Que São Elas.

Para quem está familiarizado com a discussão da obra de Leminski, muitos ensaios repisam temas e aproximações que já se tornaram lugares-comuns: nada de novo ficarmos sabendo sobre sua relação com a cultura oriental e o haikai, por exemplo, ou com o concretismo, que já não tivesse sido dito e redito. Se o livro não alcança altos níveis de novos insights sobre a obra leminskiana, também não deve ser desconsiderado. É uma contribuição importante, pois tem toda uma geração aí que não conhece Leminski.

O fato é que, esculhambada por uns e demasiadamente mitificada por outros, Leminski segue como uma espécie de esfinge autoral que, a todo tempo, inibe e estimula as tentativas de decifrá-la. Talvez porque sua presença ainda paire, invariavelmente, em papos literários, debates, polêmicas, eventos. É uma esfinge muito próxima à experiência recente e atual da poesia e literatura brasileiras. E tem o ônus de ter sido (num país que ainda cultiva muito da visão do poeta como um hermético numa torre de marfim, inacessível) um poeta famoso e lido ainda em vida, coisa rara neste país onde segue o lema (sem trocadilho) de que "poeta bom é poeta morto". O fato é que mesmo post-mortem Leminski e seu legado incomodam muita gente.

Parece incrível, e insisto em dizer isso, que, ao morrer, Leminski tivesse apenas 44 anos. Isso pelo tamanho, densidade e qualidade de sua obra, que a coloca entre as mais importantes da literatura brasileira.

Infelizmente, Leminski não está mais aqui para se defender nem dos elogios nem das críticas (e olha que o cara era faixa preta em judô).
 

 

RODRIGO GARCIA LOPES é escritor, tradutor e editor da revista de literatura e arte Coyote.

 


 

voltar ao índice | imprimir

 

 

confraria do vento