revista

 

expediente

outros

números

envio

de material

editora

cartas

dos leitores

links

contato

 

 

 

 

 

 

 

luís serguilha


poemas-sinapses na perturbação das profundidades

de alécio cunha, luiz edmundo alves,

karinna gulias e adriano menezes

 


O CORPO SOZINHO NÃO SIGNIFICA, NADA DIZ;

APENAS FALA A LÍNGUA DOS OUTROS QUE NELE SE VÊM INSCREVER.

JOSÉ GIL



1 ACTO
 

                   MÍNIMA MEMÓRIA NO AGOSTO DOS FOTOGRAMAS

 

A água-de-maio sob o mistério dos filhos descobre o poder dos sabugos-dos-jardins:    

                                               laços na sala-além-da-memória: dor na mistura-dos-portos e nas visitas-retratos do poema-ALÉCIO CUNHA

O desejo das mesas e das primas ilustrado na batalha-azul das freiras

                       testemunha os pés-do-dever da-água-das CAPITANIAS-aventuras       

                                                                roubadas À SEDE e À FOME(história-génese)

                                                      entre as cópias das ruas direitas e os castelos-de-coral

A alimentação da areia ilustra o cartaz do não lugar: medicina-do-olhar-da-cidade

                                                                                        ou a memória talhada na boca

do leite da parede:

                                a ecologia-nua abalou o medo-samba do cinema-instante: golpes do espaço-de-groselhas homenageiam o milho-dos-sonhos-das-mães com os livros das

vitaminas-de-PARIS-Brigitte MONTFORT:

                                        Sedutores medos na agente-antiga-da-cia:

tarefas-da-geogafia a explodirem nas ferragens da espiã voadora

                                                      e um planeta de costureiras experimenta a alfinetada do BATMAN-das-naves

                                      que sustentam o odor-hereditário do

urbanismo:_________________jardim-de-catarros-da-política(VACA-nos óculos-do-príncipe de KRYPTON):_____________________sinal de uma professora-REVISTA-

MATRIZ a experimentar o prazer de GISELE no planeta do esquadrão da tarde-divina:

                                                                              manga-CINE nas batalhas-das-janelas

                     E

        instintivamente as camisas rivais do guardião

                                               de usinas-relógios-de-familias

                                                                    descobrem as pedras duma  MÍNIMA

MEMÓRIA:________________________________(DESLOCADA-ENTRANHADA

nos FOTOGRAMAS DE AGOSTO): LUIZ-guerreiro-Edmundo

ALVES_____________(AUDITÓRIO-da-salivação-dos-VENTOS  e da dor-da-teia

desmesurada):________________________________o suor-único delira nos tambores das minas-da-carnavalização:

                                               os séculos-das-janelas do lutador desmesurado protegem as polissemias dos satélites-românticos

                                                                 que aspiram os caldos-refrões das florestas :_____________ veias-(goiabada-mitral) desconstrutoras dos movimentos circulares e das antologias das metrópoles-leiteiras:

                                   crepúsculos-bois a dissimularem os territórios insolúveis

                                                                                   das dimensões-da-mandioca-cacau onde os vocabulários dos coros-anárquicos

                                                                         transformam os monólogos das metáforas em aranhas de estéticas metalizadas:

                                passarelas-de-insectos de contraluz (penhascos-de-veias-semáforos) a banharem as sandálias dos corações-das-sombras

                                                                        com os orgasmos dos cavalos-das-nações:________________ mantra-perfume no panorâma cítrico da intensidade das telas suburbanas:

                                                                     o suor-inesgotável das fotos é uma legenda dos satélites-de-chuva-dos-bois-desfocados-pelos-recomeços-das-dávidas:__________________rumor dos marchadores da história

                                                                                            das metrópoles-diamantinas :

                                                                 coração-pink-floyd na queimação panorâmica das claridades das pistas-de-cavalos-anónimos

 

                                            Um altar de papilas-viagens encena as psicologias-mamonas dos banheiros

                         que chumbam os tecidos do corpo-em-transgressão

                                                           e o sangue adolescente dos fotogramas infecciona o café-da-china-da-memória

                                          entre os calendários dos pastos climatizados

                                            e os planos das calçadas-dos-cavalos:__________________

                                                               filme a trepar na cidade-das-artérias penduradas na exclusividade e na extremidade espiada

              pela avestruz miscigenada do poema:__________________câmara transversal a configurar o guerreiro-piano

                  da estetização-da-violência:_________________________ aqui atravessam as areias-dos-olhares-do-fotógrafo-do-silêncio:__________________________________ CANAL DE ARANHAS NAS INQUIETAÇÕES DO DIAMANTE

 

 

 

2- ACTO            VIA-EXPRESSA-nos-DIAS-de-MARIA-da-GRAÇA           

 

A noite dos bois espelhados aumenta a permanência do movimento

                                                 das crias:_____________________ as sombras-dos-rios visitavam os ofícios da primeira história

              da MARIA DA GRAÇA:____________________ ventre de mudanças-de-casa

na vontade dos terços e nas sementes dos pássaros:_______________ trilhos sem nomes(poça-sombra na terra do comboio______________mães a apelidarem os trens na partitura-do-olho-aquático)___:_____o OLHO verde dos pensamentos limpa o aparelho dos ossos-do-dia sacrificando a imortalidade do dragão-das-folhas-dos-desejos:______________________ cristalização das mães nos dentes-PILHA

do movimento-DESTINO:_______________ deus-de-volta-do-nome erege-se nas cidades-dos-tempos-dos-trens:

                              tijolos de óleo repiram no não-nome da GRAÇA

                                              exposto na mistura das olarias-fontes-das-nuvens-imperiais

Os montes estancam o aquário das terras secas

                                                                              destinadas à sobrevivência dos homens da existência do multiolho-de-cal:

                                        as anemias atravessam as resinas da sucção-dos-pontos-de-luz e os saciadores-de-plantas-SEM-NOME lacram o líquido divino

                                                                    com as lãminas dos atalhos da POÇa-sombra: fábulas a celebrarem o homem-dos-trilhos-vazios(ps-bso-bus-opus iludem os meninos que crescem na pele-trem celebrada pela língua rasgada do mundo):

                                                                                            desencobrir o corpo estendido nas objecções do trem:

                                                      as poeiras das cigarras lambem a água-espelho

                                                                                                            do filho-lua inchado pelo sangue dos deuses:

                                     mãe-filho enchem-se de deuses:

                                                                         veias a renascerem na terra esbranquiçada e o eco-para-sempre movimenta a medula circular

                                                             como uma testemunha-decantadora das direcções das águas:_________________________________________a terra deseja as espumas das janelas-cemitérios:_______________________gigantes-de-aço avermelham o peito das efabulações

                      com o tempo-dos-azeites-do-ferro

                           que atravessa o vestido-sulfúrico dos trens abandonados:___________ MARIA DA GRAÇA estancou os cais das linguagens-dos-deuses

                                        com a poeira-da-água:________________________________

                                                 os trilhos-dos-filhos crescem no vidro da dor:__________ a linfa-dos-milhos corta o eco das transparências da cidadela

                                                                        aterrada pelos nascimentos dos comboios 

feitos pela mãe-outra da POÇA-SOMBRA

 

 

ONDE rasgam o material-das-engrenagens

                         das escorregadias/ferroviárias:_____________ memórias de ADRIANO MENEZES:______JANELAS rápidas estampam as bóias das idéias na cidade-do-tempo-dos-olhos:_______________________fugas-dos-códigos morse nas línguas-mordidas das cidades

                    que circulam nos carbonos-cervicais dos caules da ilha sanguínea

                                                                                            como os itinerários(TRANSE) dos gomos de canela a encharcarem as rodas-telegráficas da câmara do animal

                                                                       com os fundos-tácteis das rosas-cambiantes

 

Os losangos da visão do albatroz marcam os soslaios-das-madeiras das praças

                                                                                        e as andaduras das hidro-brocas dos institutos-TROVOADAS(VIA-EXPRESSA-OS-DIAS)

                                                                           sobre a neutralidade

                                                                                                        e o metal das fendas das árvores e dos archotes das estações-hospitalares-dos-simulacros: __________________ambulância do corpo-bicho a fundar o vermelho-nosocômico-rodoviário(____administração do esconderijo das balelas-asfálticas

                                                                                         e das costelas-flores transeuntes

                       que embaraçam os armários do chão FIDALGAL____)

 

Os decotes das próteses-sonoras e das das lâminas das vigílias encurralam os ombros-maternais dos aviões-kodak

                     emparelhados na aldeia-ancestral-das-benevolências(__ os tabuleiros-das-bermudas emparedam os vidros-do-riso

                                                          e os postes-de-sol nas curvas do martelo declamado

                      pelos taxímetros-trancafiados das damas___):______disfarces-insufilmes no vazamento das cataratas-tácteis-ilícitas:_____________VIA-EXPRESSA nas postiçagens dos esconderijos-oculares e no nos desmanches dos cotovelos do chão:__________________acostamento-em-riste dentro das rotas maternas costurando os estrados do absurdo

                                         com o calor do esqueleto das notícias.

 

Feixe de ADRIANO MENEZES nas valsas dos soluços-dos-abrigos(VISÃO do

PÁTIO) e nos RELÓGIOS-narinas-circunflexas dos gaviões:_______________ tracção

das cabines-carenagens-abrasivas(PÁLPEBRAS da ESCRITA)_____ que fabricam as cicatrizes dos novelos das distâncias e das molduras aéreas:_________________pedal-visual-arrasador do tempo e das superfícies das ramagens-

epigráficas:_______________ as plataformas marginais-do-silêncio descem nos joelhos das faíscas

                    como lapsos dos mananciais azuis

                                                                    entre as multiespécies-das-casas-indecifráveis

 

                              As cabeceiras da sede conquistam as fracturas dos dorsos-das-épocas aos safaris-das-aquiescências-velozes:________________________sangue-do-espaço-em-deslize:____________________________marcha/escalada nas folhagens-das-luzes que recompõem os ecos-dos-fósseis-das-cerâmicas

                   sobre o precipício-do-verbo-MENEZEANO-impenetrável(_____goelas-iscas

das estátuas no bafo-labirinto dos jardins-bailaeiros_____):_______espasmo-de-pólens-na-musculatura-dos-bois:_____________os nervos confusos deixam o zelo dos mosquitos

                     para soluçarem nas retinas das crónicas-marquises-do-amor-ausente.

 

As Cercas dos aviões repetem-se nas cortinas da celebração da TARDE

                                                 onde os trilhos de aço transladam as fechaduras-de-cílios até à rua das acácias, 243:________________________ encontro das mãos-calendários de ADRIANO-interplanetário

                                                     e os ofícios-do-fogo engolem os ritmos NOCTURNOS

dos simbolos-mitos

                                  para atravessarem as voltas-dos-calendários

                                                                       como um PHOTOSHOP do batom-cubista a rasgar os desejos dos DIAS da SIBILA_______________________
 

 


LUÍS SERGUILHA
nasceu em 1966 em Vila Nova de Famalicão, Portugal. Poeta e ensaísta, suas obras são: O périplo do cacho (1998), O outro (1999), Lorosa´e - Boca de Sândalo (2001), O externo tatuado da visão (2002), O murmúrio livre do pássaro (2003), Embarcações (2004), A singradura do capinador (2005), Hangares do Vendaval (2007), As processionárias (2008), Roberto Piva e Francisco dos Santos: na sacralidade do deserto, na autofagia idiomática-pictórica, no êxtase místico e na violenta condição humana (2008), estes últimos em edições brasileiras. Recebeu em 2000 o Prêmio de Literatura Poeta Júlio Brandão. Participou em vários encontros internacionais de literatura e possui textos publicados em diversas revistas de literatura no Brasil e em Portugal, além de outros trabalhos traduzidos em língua espanhola e catalão.

 


 

voltar ao índice | imprimir

 

 

confraria do vento

 

 

counter fake hit page