revista

 

editorial

e créditos

outros

números

envio

de material

editora

cartas

dos leitores

links

contato

 

 

 

 

 

 

 

 

 

max martins


M/W

 

 

 

Indo para o Norte

 

E se fracassares?

Se o êxtase do punhal não alcançar a alva
seda boreal e a bala
errar o morto e o morto apodrecer em paz
                                                                    no alvo
iate, âncora para sempre, liquidado o mar
o mar cediço
                     passadiço?

 

Antes do tiro
antes do fim (— o teu princípio) todo o trigal já estava louco

                                                           os corvos indo
                                                           e vindo idem
agora sobre a cova
          do sol              Do teu poema?

 

Enquanto danças nesta noite às bruxas
                                                            às tuas viúvas
                                                                                      uma
folha na relva se corrompe
frutos se viciam, pecam
e se laceram
                         — o céu em cima
                          a terra em baixo —
                                                            Nada se associa

 

 

 

Eco de Lawrence Durell

 

Nada está perdido
para sempre amada

         o que não se disse
         restou
         no coração — música
         sob o silêncio
         eco onipresente — pássaro
                                                         indecolável

 

 

 

M/W

 

Max/Wax
          ex
sangue
        o
SexO
sobra   nódoa      nada no óleo  —  o olho
                                                 (rastro da cobra)
                                                    cavo no chão
                                                           a pá

lavra no vão:
o não-ser indo
o não-ser vindo
                          o não
inserido e exarado    grão
                           o grão-ser será serôdio/ cera
                                                 expermeável só?
                           — ser
                                     (se há)
                                                 se mente


 

 

Uma letra veio

 

Um M e outro
(gêmeo)
             e agora este
abrindo sulcos
                       veios
para a transa
da viagem: A voz

          agora úmida
eriçando o campo
                               o último
de se ir às sombras
dum crepúsculo ao fundo
ígneo
           — esse M
e as suas duas
sílabas-ímãs
de trazerem à boca
e à língua as frutas
se entreabrindo às águas
ao seu murmúrio

 

                             (De onda em onda
                                                            aonde
                                                                       as letras morrem
                             — ou uma sobrenada
                             e se detona: Imagem)


 

Um lume-olho novo luxo
                                        belo se irisando
veio dos lábios

                          Veio da pedra ressequida
                                                                     e desta arma
                          a espadanada sede sobre a página

 

 

 

Dina: força e movimento: poesia

 

Todos os pincéis.  E o corpo todo inacabando-se.

 

A teia é o que se vê: se faz. Ateias
     o abismo dessa pele. Tocas
          a flor do orgasmo
              o ânus sinuoso da beleza.

 

O corpo. Por ele cantas.

Cresce nele um sopro — um olho
                                                     roxo

Escorre o seu discurso —
   o lume de teus dedos que te escrevem.
                                                                   Ouro
desmoronando
                          gozo.

 

Tudo é interdito.  Ou não se vê
                                                   tão perto
— teu país-paul, terra de raízes
dociácida espuma, esponja, teu suor e mancha.

Lilás o branco deste campo
                                             atravessando
alga amarela, talvez vermelha
                                                  nua
contra o medo: motim
                                     navio
                                               boca
e o frio silêncio tátil duvidando-nos.

 

 

 

Revide

 

           A cada fim
seu recomeço: Um broto
       no galho morto

 

 

Numa sonda estreita

  

Desfazer-se do
que era
o conteúdo
enfiando as estações
     a vida indo
devagar
     com algum
apoio musical
     da lua
     longe




MAX MARTINS, poeta, nasceu em Belém do Pará em 1926. Estreou com o livro O estranho (edição do autor), em 1952. Insatisfeito com o resultado, mandou queimar seus exemplares, sobrando apenas alguns poucos, por desobediência do encarregado – o suficiente para render-lhe honras tardias. Posteriormente, publicou Antiretrato (1960), O risco subscrito (1976) e Caminho de Marahu (1983). Durante a vida exerceu cargos públicos até sua aposentadoria, à qual o Inamps incorporou outra: a de escritor, tornando-se o primeiro caso de escritor aposentado com os benefícios pelo exercício de mais de trinta anos de poesia. Hoje é diretor de um núcleo de cursos conhecido como Casa da Linguagem. Os poemas publicados aqui fazem parte de seu livro quase-desconhecido O cadafalso.
 


 

voltar ao índice | imprimir

 

 

confraria do vento

 

 

counter fake hit page