O barulho, o silêncio e a solidão de Deus

... nem sempre o pedido é atendido. Só aquele que é feito com profundo sentimento, disse-me certa vez padre Geraldo, amigo da família. Ele manejava bem as palavras. Dizia que a postura correta para falar com Deus é fundamental. De preferência, devemos nos comunicar em silêncio, com o coração aberto e os olhos fechados, em meditação. O pensamento e o sentimento pertencem ao mundo espiritual e é lá que se encontra Deus. Dessa forma, temos mais chances de nos aproximar do divino ou, pelo menos, nos deparar com o inconsciente...

 

MARIA FÉLIX FONTELE é jornalista e escritora. Foi secretária-adjunta e coordenadora de Comunicação Social do Governo do Distrito Federal, além de primeira coordenadora de Comunicação Social da Câmara Legislativa do DF. Atuou como repórter, chefe de reportagem, editora e colunista em diversos veículos de comunicação - entre eles Jornal de Brasília, Jornal do Brasil e Correio Braziliense - e em assessorias de imprensa. Editou revistas e publicações nacionais na área de gestão pública. Como escritora, participou de algumas antologias poéticas. Em 1992, venceu o Concurso de Poesia da revista Xicóatl, de Salzburgo (Áustria), com o poema Retrato. É a autora do livro Versos que me habitam, pela Confraria do Vento.

 

 

Informações adicionais

  • Autor: Maria Félix Fontele
  • Preço: 47,00
  • Categoria: Crônicas brasileiras
  • ISBN: 978-85-5532-098-9
  • Nº de páginas: 128